Cada vez mais dentro da área

No primeiro semestre, as disciplinas de biblioteconomia chegam de mansinho em meio a outras menos específicas. Primeiro temos introdução à biblioteconomia, depois vamos nos familiarizando com a normalização, por fim aprendemos sobre a trajetória dos livros e a evolução das bibliotecas. Paralelamente, somos apresentados às bases de dados e aos princípios que regem a comunicação científica.

Tudo vai muito bem. Tudo sob controle.

Eis que a biblioteconomia hardcore dá as caras em representação temática I. Começamos a conhecer o incrível mundo do processamento técnico. À primeira vista é mesmo apavorante, mas depois… bom depois fica ainda mais assustador, mas nada que não possa ser resolvido com boas horas de estudos.

Em representação temática I conhecemos Melvil Dewey.

Dewey? Aquele gato amarelo?

Não nego que esta foi minha primeira referência ao nome, mas o Dewey original é ainda mais interessante que o gatinho da biblioteca. Ele figura entre os meus bibliotecários preferidos, junto com Cutter e Ranganathan.

Depois de termos noções básicas sobre a Classificação Decimal de Dewey (CDD), mergulhamos na catalogação e em suas inúmeras regras em representação descritiva I e II. Enquanto vamos trilhando a AACR e as instruções do MARC, volta e meia me pego deslumbrada pensando nos gênios que se debruçaram sobre o problema da recuperação da informação e bolaram esquemas inacreditáveis de organização e armazenamento da informação.

Sorte a nossa!

Só precisamos aprender.

Anúncios

Comunicação entre professores e alunos

Uma das primeiras disciplinas oferecidas no curso é Instrumentalização para EAD, durante a qual aprendemos a mexer no UCS Virtual e no AVA. Ao longo das semanas, estudamos e colocamos em uso todas as ferramentes disponíveis.

Algumas dessas ferramentas são utilizadas especificamente para a comunicação entre professores e alunos, como as mensagens diretas e os fóruns. Cada aluno também tem um e-mail @ucs.br, que fica hospedado na plataforma de e-mails do Google.

Tanto as mensagens diretas quanto os fóruns são criadas dentro do escopo/espaço de uma disciplina. Não é possível enviar mensagens diretas a colegas de outras turmas ou participar de fóruns de disciplinas que não estamos cursando.

As mensagens diretas podem ser enviadas ao professor, aos monitores e aos colegas de cada disciplina. Como dito antes, só é possível usar este recurso dentro de uma turma/disciplina específica. Se quisermos conversar com colegas de outras matérias, devemos usar o e-mail. As mensagens são lidas exclusivamente pelos destinatários.

Já os fóruns são abertos a todos os alunos de determinada disciplina, que podem ler todas as participações e participar quando desejarem. Normalmente os professores abrem pastas semanais nos fóruns, para que as conversas fiquem organizadas por temas e sejam recuperáveis de maneira mais fácil.

Rotina de uma semana de estudos

Amanhã recomeçam as aulas.

Será a primeira de 10 semanas de atividades do primeiro trimestre deste segundo semestre de 2015.

Os professores costumam inserir o conteúdo da semana corrente na segunda ou na terça-feira. Alguns até disponibilizam os conteúdos e atividades no fim de semana, mas a regra é que façam isso durante seu horário de trabalho, de segunda a sexta-feira.

De modo geral, os professores utilizam duas seções do AVA para entregar o conteúdo aos alunos: Cronograma e Acervo da Turma. Alguns usam a pasta Acervo da Disciplina aos invés de Acervo da Turma. Não consegui entender bem por que existem duas seções semelhantes.

Cada professor organiza o acervo a sua maneira. Quase todos criam uma pasta para cada semana, na qual reúnem tanto os textos quanto as atividades. O professor João Paulo, porém, costuma nomear os arquivos com o número da semana. Por exemplo: 1.0 – Orientações da semana 1; 1.1 – Texto de leitura obrigatória; 1.2 – Atividade da semana; 2.0 – Orientações da semana 2 e assim por diante.

Eu gostei desta maneira e a adotei no meu armazenamento de conteúdos desde o semestre passado. Assim fica tudo em uma única pasta e não é necessário ficar abrindo pastas quando preciso pesquisar um documento antigo. Há professores que apenas “jogam” os textos em uma única pasta e aí preciso sempre arrumá-los por data para saber quais são os arquivos mais recentes.

Na seção Cronograma, normalmente há um resumo sobre o conteúdo da semana, indicações de leituras e quais são as atividades que precisam ser desenvolvidas pelos alunos, com os respectivos prazos para tudo isso.

No Acervo estão todos os textos indicados, algumas vezes trechos de livros que temos que ler e as explicações sobre as atividades.

Eu costumo baixar tudo em meu computador e depois dar início ao trabalho. Passo os olhos rapidamente em todas as orientações da semana para ver o que preciso priorizar – já anoto na agenda as datas de entrega dos trabalhos. Se todas apresentarem o mesmo grau de dificuldade, seleciono uma das matérias e faço tudo relacionado a ela antes de passar para a próxima. É a maneira que encontrei para me organizar melhor e não deixar nada para trás.

Quando noto que a atividade de determinada disciplina exigirá maior dedicação, tento eliminar tudo das outras para me dedicar somente a esta sem outras preocupações. Tem funcionado bem assim.

O tempo anda meio curto neste ano, mas em média costumo dedicar entre 12 e 15 horas por semana para ler o material indicado, fazer as atividades e acompanhar todos os comentários nos fóruns.