UCS forma primeira turma de bibliotecárias

No último sábado, para alegria de todos nós que frequentamos o curso de Biblioteconomia EAD da UCS, formou-se a primeira turma de bibliotecárias. O paraninfo da primeira turma foi o professor João Borges, de quem roubei a foto abaixo. 🙂

Parabéns, novas bibliotecárias. Muito sucesso na profissão!

17155280_1280032802087324_9139427463995116676_n

Anúncios

Finzinho do 6º semestre

Andei meio relapsa nesse semestre, que nem tive muita inspiração para escrever aqui no blog.

No último fim de semana fui a Caxias do Sul para as provas finais deste ano – quer dizer, assim eu espero. As notas do trimestre serão divulgadas nos próximos dias. Quem não pegou recuperação terá apenas que fazer uns poucos trabalhos mais e pronto!

img_4324
Da janela do avião: até breve, Rio de Janeiro 🙂

A viagem a Caxias do Sul começou às 11h de sexta-feira, quando saí de casa para ir até o Aeroporto Santos Dumont. De lá, parti para Congonhas, em São Paulo. Uma espera curta, um sorvetinho de doce de leite e já estava no voo seguinte. Aproveite as duas etapas para dar mais uma estudada.

Quando cheguei a Porto Alegre estava morrendo de fome. Pensei em comer em um quilo do aeroporto, mas vi uma sopinha de agnolini me acenando de um fast food que serve galetos e afins. Não resisti. Foi ótimo, pois depois ficaria horas no trânsito a caminho de Caxias. Peguei o ônibus das 17h30. Os demais estavam todos cheios. A viagem demorou três horas! Cheguei à casa da minha madrinha quase às 21h. Ela me esperava com pizza e vinho.

Antes de dormir e logo ao acordar ainda dei mais um revisada nos resumos, mas teria que ter estudado mais, me deu alguns brancos durante a prova.

As provas desta vez foram realizadas no bloco S, que nem existia quando fiz faculdade pela primeira vez. A medicina era no prédio da reitoria, onde evitávamos muito ir. Agora são outros tempos, o prédio é novinho, iluminado… img_4329

As provas não estavam difíceis, mas eu realmente não consegui me lembrar de duas questões direito. Uma até arrisquei, a outra foi um desastre completo. Estava tudo no resumo, vi depois. Fazer o quê…

Depois das provas, fiquei conversando com os meus colegas. Este é o melhor momento da viagem. Eu adoro encontrar meus colegas. É engraçado, nos vimos apenas algumas poucas vezes, mas estamos no mesmo barco e isso nos dá uma cumplicidade muito legal.

Mais tarde voltei a Porto Alegre, pois meu voo sairia bem cedo no dia seguinte.

Agora esperar as notas, fazer os trabalhos finais e curtir as férias. Este ano foi longo!

Horas complementares

O curso de Biblioteconomia ead da UCS é composto por 158 créditos referentes às disciplinas dos oito semestres. Para concluir o curso, porém, é necessário apresentar mais 120 créditos de atividades complementares.

No meu caso, que já completei cinco semestres, contabilizo 130 créditos realizados, ainda faltam 28 referentes aos três semestres faltantes, ou seja, bem pouquinho! 🙂 Já para completar as 120 horas complementares ainda me faltam 30 créditos.

As minhas atividades complementares foram compostas por palestras assistidas na UCS (aos sábados de prova, quando são realizadas atividades à tarde), pela Semana Acadêmica, por cursos e por uma monitoria. Agora ainda tenho algumas de cursos e palestras que precisam ser autorizadas pela coordenação do curso. Acho que até o próximo semestre terei conseguido comprovar todas as horas necessárias.

A UCS oferece um documento completo sobre as horas. No tal documento, há uma lista do que podem ser consideradas atividades complementares:

São consideradas atividades complementares:

  • Atividades de Ensino – disciplinas não previstas no currículo do curso, monitorias (institucionais ou voluntárias), cursos de certificação (aperfeiçoamento, atualização, complementação etc.), bem como cursos de língua estrangeira (PLE).
  • Atividades de Pesquisa – iniciação científica (institucional ou voluntária), publicações, produções culturais e artísticas.
  • Atividades de Extensão – seminários, congressos, simpósios, conferências, ações comunitárias, estágios, bolsas de iniciação profissional, gestão de órgãos de representação estudantil, representação discente em órgãos colegiados, atividades profissionais, entre outras.

Dicas a recém-chegados ao curso

Fui convidada pelo professor João Borges para ser monitora de Introdução à Biblioteconomia. Fiquei muito feliz e animada. Motivada pelo convite, procurei refletir sobre dicas que poderia passar para quem está começando agora no curso. Elaborei então uma pequena lista.

  • Defina o tempo que dedicará aos estudos. Acredito ser este o ponto mais importante ao começar um curso a distância. Mesmo que o volume de leituras varie de uma disciplina para outra, gosto de reservar pelo menos quatro horas por semana para cada uma delas. Então se você pegou três matérias neste semestre, prepare-se para 12 horas semanais de estudos.
  • Faça um pouco por dia. Assim não se cansará tanto e ainda terá tempo para refletir sobre o que aprendeu.
  • Definido o número de horas, anote “estudo ead” na agenda como um compromisso. Bloqueie aquele período de tempo e faça de tudo para cumpri-lo.
  • Se ainda não tem uma agenda ou não tem o costume de usá-la, compre uma ou passe a usar alguma disponível on-line, como o Google Calendar. A agenda servirá não apenas para você bloquear as horas de estudos, mas para anotar todos as atividades com prazos. E serão várias. Os professores costumam definir prazos para participações nos fóruns, para postar tarefas no webfólio, para entregar o trabalho final. Há ainda a programação das provas e  as datas-limite para enviar os certificados das atividades complementares. Ou seja, usar uma agenda vai ajudar muito.
  • Na aula de Introdução a ead aprendemos como organizar uma pasta no computador para armazenar os conteúdos do curso. Vale a pena seguir direitinho as orientações e colocar tudo em ordem logo no início. A organização na hora de salvar os conteúdos de cada aula e de cada disciplina é essencial. Bom, se você está fazendo biblioteconomia, imagino que deva gostar bastante desse assunto. Então isso não será um problema. Eu comecei criando uma pasta para cada disciplina e dentro dela 10 pastas para as 10 semanas de aula. É uma maneira organizada, mas pouco prática se você tem que recuperar um texto e não se lembra em qual semana foi dado. Há sempre a opção do buscador do Windows, mas isso me levou a mudar um pouco a forma de arquivar o material. Continuo criando uma pasta por disciplina, mas agora enumero os arquivos na ordem em que vão sendo postados pelo professor. Por exemplo:
    1. Orientações Semana 1
    1.1 Texto 1 da semana 1
    1.2 Texto 2 da semana 1
    2. Orientações Semana 2
    2.1 Texto 1 da semana 2
    … e assim por diante.
  • Logo que entrei no curso, comprei alguns cadernos para anotar tópicos importantes das aulas. No final do trimestre, para revisar, digito em um documento word esse resumo. Funciona bem para mim, mas sei que quem tem o tempo mais curto ou pouca disposição para escrever à mão poderá não gostar tanto assim. Em um semestre em que estive muito ocupada, fiz um resumo direto no computador. Lia os textos e já fazia as anotações nesse resumão. Agora que tudo está mais tranquilo, retomarei meus cadernos.
  • Eu não consigo viver sem meus resumos. Revisar todos os textos na véspera da prova me parece meio impossível. Consegui passar bem em todas as disciplinas estudando a partir dos resumos. É claro que isso só foi possível cumprindo as dicas seguintes.
  • Leia tudo que foi recomendado pelos professores. Se não conseguir ler tudo, faça isso com pelo menos os textos obrigatórios.
  • Não deixe o conteúdo acumular! Estude toda a matéria na mesma semana em que foi passada pelo professor. Você nunca saberá se a próxima semana será com muitos ou poucos textos. O trimestre passa voando e nem sempre dá tempo de ler algo que foi ficando para trás.
  • Faça todas as atividades propostas. Muitos professores dividem a nota ao longo das semanas, mas faça as atividades não apenas por esse motivo. Ao responder a uma atividade no fórum ou preparar uma tarefa para publicar no webfólio, você estará fixando o conteúdo. Sabe o resumo lá de cima? Assim fica bem mais fácil se basear apenas nele para estudar para a prova.
  • Esta não é bem uma dica: Não seja aquele colega que na véspera da prova pergunta o que vai cair. Simplesmente estude. Alguns professores oferecem exercícios de revisão, mas não são todos. Então o melhor é se preparar ao longo do trimestre, não esperar um milagre na última hora.
  • Das horas planejadas para cada disciplina, dedique pelo menos 30 minutos para ler as participações dos outros colegas nos fóruns. Muitos deles já atuam na área e podem dar informações bem úteis para nós que ainda não tivemos experiência prática. Essas trocas ajudam também a conhecer melhor uns aos outros.
  • Ah, sim, ao participar dos fóruns, revise o português. Depois de algumas horas, não é possível mais editar o texto publicado. Então não custa nada reler o que escreveu para ver se está coerente, se por acaso uma vírgula não se meteu entre um sujeito e um predicado, se um sinal de crase não caiu errado no meio do texto, essas coisas que fazemos às vezes sem perceber… Erros acontecem, mas muitos podem ser evitados com uma segunda leitura.
  •  Nas primeiras semanas no novo curso, navegue pelo AVA. Descubra cada seção. Esta é outra atividade da aula de Introdução a ead, mas sempre fica mais fácil se você já tiver passeado um pouco por conta própria.
  • Nessa passeada pelo AVA, aproveite para ver a lista de participantes, assim já vai guardando os nomes dos colegas que lhe acompanharão ao longo dos oito semestres. A primeira vez que nos encontramos pessoalmente é sempre divertida, procuramos pelas figuras das fotos, o que nem sempre se revela uma tarefa muito fácil se a foto não for das melhores.
  • Há quem não goste muito de se apresentar, mas isto é fundamental em um curso com este perfil. Eu me interesso pelos meus colegas, gosto de saber de onde são, o que já fizeram e o que pretendem com a profissão. Vale investir um tempo na definição do que estará na sua página pessoal e na escolha da foto.
  • No AVA há informações sobre toda nossa vida acadêmica: histórico, currículo, gerenciador das mensalidades pagas, acesso à biblioteca virtual. É uma ótima fonte de informação para acompanhar a trajetória ao longo dos semestres.

Reta final do 4º semestre

Neste semestre, como já escrito em outros posts, estou me dedicando a outro projeto acadêmico com mais afinco. O referido trabalho está na reta final. Por isso, o blog ficou com tão poucos posts e os estudos, em segundo plano.

Apesar disso, consegui tirar notas satisfatórias em duas provas e na terceira fui bem mal, mas tirei ainda uma nota suficiente para não precisar realizar a prova de recuperação. Foi a primeira vez que errei três questões em uma prova do curso. Fiquei bem chateada comigo, mas tentando não pegar tão pesado. A prioridade realmente foi outra neste trimestre e infelizmente nem sempre dá para dar conta de tudo como se gostaria.

Ainda faltam alguns trabalhos de aula para serem concluídos, mas agora serão mais alguns poucos dias de aula. Depois vêm as férias grandes.

Quando o próximo semestre começar, já terei concluído minha tese e poderei me dedicar 100% à graduação. Não vejo a hora.

Quanto custa uma graduação a distância?

A resposta para esta pergunta não é nada fácil, mas é possível fazer uma estimativa.

Mensalidade do ano de 2015: 12 x R$ 556,32 = R$ 6.675,84 (sendo seis disciplinas por semestre)

Se for mantida a média de seis disciplinas por semestre, pode-se dizer que o estudante gastará em torno de R$ 26.700 pelos quatro anos de curso (aqui é preciso considerar que existem alguns semestres com menos disciplinas e que talvez o valor do acompanhamento de estágio tenha um preço diferenciado). Neste estimativa não estou incluindo as atividades complementares, que compreendem mais 120 horas/aula. É bom não perdê-las de vista, mas não sei como incluí-las nesta conta por enquanto.

Como é uma estimativa, seguimos em frente.

A hospedagem custa em média R$ 130 (no Trip Hotel em quarto individual. Pode-se sempre dividir um quarto com uma colega). Como são quatro viagens por ano, pelo menos quatro noites de hospedagem – para aqueles que conseguem voltar no mesmo dia. São então pelo menos R$ 520 de hospedagem por ano.

Já o deslocamento varia muito, dependendo do local onde mora o estudante. No meu caso, considero uns R$ 500 pela ida/volta Rio de Janeiro-Caxias do Sul + R$ 100 (para ônibus e táxi no Rio Grande do Sul). Em cada viagem, gasto em média R$ 600 de transporte, totalizando mais ou menos R$ 2.400 por ano. É possível comprar as passagens com antecedência e obter melhores tarifas, assim como vez ou outra usar os programas de milhagem.

Somando:

Curso = R$ 26.700

Hospedagem = R$ 2.080

Transporte = R$ 9.600

Não considerando a alimentação, estimo que cursar Biblioteconomia ead na UCS custará R$ 38.380. Este número grande assusta um pouco, mas se pode pensar que este dinheiro será investido ao longo de quatro anos.

O que poderiam ser algumas dicas:

  • Tão logo o calendário seja liberado pela coordenação do curso, já planejar a viagem, especialmente se houver um trecho aéreo.
  • Conversar com colegas que moram longe sobre a possibilidade de dividir um quarto na véspera da prova.
  • Verificar se não há algum colega que resida em Caxias do Sul e possa oferecer um pouso vez ou outra.

Sentimento pós-prova

Até agora não me conformo por ter errado uma questão besta na prova de Literatura Ocidental. Hamlet foi um dos últimos textos que li. Achei que estava tudo gravado na minha cabeça. Antes de viajar ainda comentei com o Claudio que lá no texto havia uma frase que já havia ouvido várias vezes em outros contextos: “há algo de podre no reino da Dinamarca.”

😦

Aí me vem uma pergunta completa sobre Hamlet… e eu me confundo, me esqueço da frase, me esqueço do texto todo e fico com uma dúvida mortal sobre onde se passa a história… Resultado, minha memória me traiu e acabei achando que era na Escócia. Imperdoável!!!

A prova de fontes de informação foi ok, tirando uma pergunta sobre hipertextos. Ninguém estava muito seguro sobre completar a frase apresentada pela professora na prova. Menos grave, pois as demais perguntas pareceram bem acessíveis.

Quando peguei a prova de Representação Descritiva e comecei a ler a primeira pergunta, fiquei desconcertada. Não fazia a mínima ideia de qual resposta era a certa. Pensei: se forem todas assim, isso não vai dar certo. No final, a pergunta não tinha resposta mesmo. Só que acabei errando mais uma. Fico meio decepcionada, pois isso já coloca a perder o conceito 4 na nota final.

Bom, de qualquer forma, acho que foi tudo bem. Mesmo assim, nos resta esperar o gabarito, que sempre leva alguns dias para sair, pois primeiro é preciso que todos os alunos realizem as provas.

Três disciplinas a menos, três passos à frente

Neste trimestre fiz três disciplinas, que se encerram na próxima semana. Foi um semestre interessante, pois entramos em assuntos bem específicos da biblioteconomia, como análise documentária e representação temática. Tivemos noções básicas de indexação e começamos a praticar a classificação. Nesta primeira disciplina o foco recaiu sobre a CDD (Classificação Decimal de Dewey).

Aliás, este senhor Melvil Dewey teve uma vida profissional muito interessante. Esteve presente em momentos marcantes da história da biblioteconomia, como a fundação da ALA (American Library Association) e o primeiro curso da área da Universidade de Columbia. Claro que sua contribuição mais importante foi mesmo a classificação decimal – ideia genial usada em bibliotecas do mundo inteiro.

O encontro presencial foi muito bom. Esta já foi a quarta vez que viajei a Caxias para realizar as provas. Agora, nós alunos já nos conhecemos melhor. Reencontrar os colegas é algo que me deixa bem feliz. Acabamos conversando mais sobre nossas provas, os conteúdos, os professores, mas aos poucos começamos a saber um pouco mais uns sobre os outros. Gosto disso.

Semestre que segue

O semestre começou com tudo.

Agora estamos aprendendo a identificar os assuntos dos documentos – tanto para a prática da indexação quanto da classificação. Não é nada fácil.

A indexação permite vários descritores (palavras-chave). Já na classificação, se erramos, talvez o livro nunca mais seja encontrado nas estantes.  Claro que os sistemas de busca de informação ajudam – e muito -, mas a ideia é essa mesma: se o classificador se equivocar, corre o risco de “esconder” um livro para sempre na biblioteca. É bom ter isso em mente, pois faz com que o trabalho seja realizado com mais consciência.

Chegado o fim do trimestre, vi que escrevi muita bobagem no parágrafo acima. Independente da classificação de que se faça, o livro será encontrado, pois a classificação é justamente o endereço do livro na estante. Claro, há sempre a chance de ser guardado em uma estante errada, aí, realmente, já era. Já se indexarmos um documento com palavras-chave equivocadas, aí sim teremos problemas, pois nunca será recuperado quando precisamos dele.

Comecei o terceiro semestre e estou ainda muito feliz com a decisão de realizar o curso – apesar de todos os outros compromissos correntes, inclusive outro compromisso acadêmico bem importante.

Nos próximos dias já chegaremos à sétima semana, quando ocorrem as provas. Estou, claro, um pouco nervosa. Ainda mais porque tenho viajado bastante e o tempo para estudar tem se reduzido aos intervalos das outras atividades. O que não deve ser, especialmente se fazemos um curso a distância. É preciso ter disciplina no estudo e constância.

Vida Organizada dá dicas sobre como se organizar melhor nos estudos ead

Organização é fundamental no exercício da carreira de bibliotecário.

Organização é essencial para a realização de um curso a distância.

Adoro ler sobre o assunto e há um blog de que gosto muito. Chama-se Vida Organizada e é escrito pela jornalista e publicitária Thais Godinho.

A Thais escreveu um post bem interessante sobre como se organizar para estudar a distância. Vale a pena ler, pois há muitas dicas boas: http://vidaorganizada.com/organize/estudos/como-se-organizar-estudar-faculdade-curso-distancia/comment-page-1/#comment-119881