Visita ao Museu do Dinheiro e à Biblioteca do Banco Central alemão

Outra visita bem bacana realizada durante o Congresso de Bibliotecários em Frankfurt foi ao Geldmuseum, o Museu do Dinheiro, seguida por uma rápida passagem pela biblioteca do Banco Central alemão (Bundesbank), que fica no mesmo endereço.

O museu foi reestruturado há poucos anos, então tudo é moderno e supernovo. A exposição é bem interessante, com informações sobre moedas desde os primórdios. Há uma área voltada ao Euro e à falsificação do dinheiro. Em outra, uma barra de ouro pode até ser tocada pelos visitantes. 🙂

Depois que fizemos a visita guiada, fomos rapidamente à biblioteca, que tem todo tipo de acervo, inclusive guias de viagem, pois os funcionários costumam viajar para todos os cantos do mundo.

Um aspecto interessante da biblioteca é que, por questões de segurança, ela utiliza um software sem qualquer ligação com a internet ou com o mundo externo ao prédio do banco. Desta forma não há troca de dados com outras bibliotecas. O cuidado tem a ver com a tentativa de não se tornar vulnerável, não abrindo nenhuma brecha para entradas inoportunas no sistema do banco.

Anúncios

Visita à Biblioteca Nacional alemã

Algo bem interessante na programação do Bibliothekartag 2017 foi a possibilidade de realizar visitas guiadas em bibliotecas. Consegui fazer duas delas: na Biblioteca Nacional alemã e na biblioteca do Museu do Dinheiro.

A Biblioteca Nacional alemã tem duas sedes, uma em Frankfurt am Main e outra em Leipzig. Isso está ligado ainda à época em que a Alemanha era dividida em duas. O nome conjunto passou a ser usado em 2006. Atualmente, quando um livro (CD, DVD etc.) entra para o acervo, há pelo menos duas cópias, uma para cada sede.

Em Frankfurt, a Biblioteca Nacional está instalada em um prédio construído em 1997, pensado para abrigar a biblioteca e com várias preocupações sustentáveis. Algo que me chamou atenção foi o plano para prevenção de danos em caso de incêndio. Nota-se isso não apenas nas portas, mas também no modelo das estantes do armazém. Elas podem ser unidas de forma que a água que irá cair em caso de incêndio não prejudique os livros, por exemplo.

A visita foi rápida, mas bem interessante. Fiquei impressionada por ser tudo moderno, mas como o prédio já tem 20 anos, nota-se que também precisa de ajustes. Por exemplo, não há tomadas suficientes para os usuários.

A feira dentro do 106º Bibliothekartag 2017

IMG_7932

Eu fiquei impressionada com o número de empresas que participaram do 106. Bibliothekartag em Frankfurt. No mapa acima e na lista, dá para ter uma ideia do número de participantes. Já vi algo semelhante em congressos das áreas de saúde ou engenharia, mas nos de Ciência em Informação (que foram os únicos da área que participei até agora), tinha visto, no máximo, bancas vendendo livros. Aliás, isso nem vi no Congresso de Bibliotecários em Frankfurt.

Havia representantes de empresas que produzem softwares para gestão de bibliotecas na Alemanha (e são muitas, como tenho visto nas minhas disciplinas na HdM), algumas que produzem mobiliário ou equipamentos (scanners que só faltam falar, por exemplo), um estande da Biblioteca Nacional Alemã (DBN), da agregadora de conteúdos Biblioteca Alemã Digital (DDB) e várias associações ligadas à biblioteconomia, além de firmas que prestam serviços na área, como a BSZ.

Como fiz duas visitas a bibliotecas e assisti a várias palestras, dei apenas duas voltas nos estandes. Como não trabalho em uma biblioteca, não era muito o público-alvo das empresas, mas fui bem atendida em várias.

 

 

Minha experiência no 106º Bibliothekartag 2017

IMG_7914Gostaria de ter escrito antes sobre a experiência de ter ido ao Congresso de Bibliotecários em Frankfurt, mas acabei aproveitando a semana de férias de Pentecostes (Pfingstferien) para viajar um pouco e nessa última semana fiquei muito envolvida com as apresentações e trabalhos finais.

Diferente dos congressos que participei anteriormente, no qual eram apresentadas basicamente pesquicas acadêmicas, este congresso teve um perfil mais profissional, com apresentação de trabalhos feitos por bibliotecários para bibliotecários. Sim, teve pesquisa também, mas com um viés mais prático, baseada em experiências da prática bibliotecária.

Os (futuros) colegas aproveitam o congresso para as reuniões de suas associações e de grupos de pesquisa. Tudo é apresentado na agenda oficial. Algo bem legal também é a enorme feira de produtos para bibliotecas, de softwares a mobiliário, passando pela apresentação de novos produtos e tecnologias para unidades de informação.

IMG_7915Havia um livreto com toda a programação (entregue junto com a credencial no primeiro dia de congresso). Esta já estava disponível no site oficial uns dois meses antes. No site, assim como aplicativo, era possível se logar e criar uma espécie de agenda com as palestras e atividades de interesse.

Mais de 2 mil participantes estiveram em Frankfurt durante os três dias de congresso. O Bibliothekartag foi realizado no endereço mais tradicional de feiras de Frankfurt, a Messe (onde ocorre a tradicional Feira do Livro de Frankfurt). Havia indicações do congresso por todos os lados. Eu achei tudo muito bem organizado. Os inscritos no congresso tinham automaticamente um ticket para o transporte público nos dias do evento. Apenas a título de informação, eu paguei 47 euros pela inscrição, como estudante.

Confesso que foi muita informação! Aproveitei o que pude, mas acho que poderia ter aproveitado mais. O legal é que o material das palestras fica disponível on-line para os participantes por mais um tempo. Pretendo aproveitar o feriado para dar uma olhada. Queria ter visto mais coisa. Ter entendido mais do que vi. Ter mergulhado em cada estande com mais tempo.

Quem sabe num próximo. 🙂

Ônibus-biblioteca, Bücherbus

Diversos ônibus estacionaram hoje na frente do prédio do Congresso de Bibliotecários em Frankfurt am Main. Até aí nenhuma novidade. Só que não eram ônibus comuns, mas ônibus-biblioteca. Um mais bonito e equipado que o outro. Não fiz anotações, mas havia bibliotecas de Frankfurt, Heilbronn, Darmstadt, Stuttgart, Offenbach, entre outras.

Como eu nunca tinha visto um ônibus-biblioteca, fiquei superimpressionada. Uma ideia tão interessante, tão relevante e tão bem implementada.

106. Bibliothekartag 2017

Hoje começou o congresso alemão de bibliotecários em Frankfurt am Main. Com mais de 2 mil participantes, o Bibliothekartag 2017 engloba palestras de profissionais de diferentes bibliotecas e instituições alemãs e de diversos outros países, além de uma grande feira, com a presença de empresas que produzem de softwares a mobiliário para bibliotecas. Há também estandes da Biblioteca Nacional alemã e outras organizações importantes da área, OCLC, ekz e BSZ.