Finzinho do 6º semestre

Andei meio relapsa nesse semestre, que nem tive muita inspiração para escrever aqui no blog.

No último fim de semana fui a Caxias do Sul para as provas finais deste ano – quer dizer, assim eu espero. As notas do trimestre serão divulgadas nos próximos dias. Quem não pegou recuperação terá apenas que fazer uns poucos trabalhos mais e pronto!

img_4324
Da janela do avião: até breve, Rio de Janeiro🙂

A viagem a Caxias do Sul começou às 11h de sexta-feira, quando saí de casa para ir até o Aeroporto Santos Dumont. De lá, parti para Congonhas, em São Paulo. Uma espera curta, um sorvetinho de doce de leite e já estava no voo seguinte. Aproveite as duas etapas para dar mais uma estudada.

Quando cheguei a Porto Alegre estava morrendo de fome. Pensei em comer em um quilo do aeroporto, mas vi uma sopinha de agnolini me acenando de um fast food que serve galetos e afins. Não resisti. Foi ótimo, pois depois ficaria horas no trânsito a caminho de Caxias. Peguei o ônibus das 17h30. Os demais estavam todos cheios. A viagem demorou três horas! Cheguei à casa da minha madrinha quase às 21h. Ela me esperava com pizza e vinho.

Antes de dormir e logo ao acordar ainda dei mais um revisada nos resumos, mas teria que ter estudado mais, me deu alguns brancos durante a prova.

As provas desta vez foram realizadas no bloco S, que nem existia quando fiz faculdade pela primeira vez. A medicina era no prédio da reitoria, onde evitávamos muito ir. Agora são outros tempos, o prédio é novinho, iluminado… img_4329

As provas não estavam difíceis, mas eu realmente não consegui me lembrar de duas questões direito. Uma até arrisquei, a outra foi um desastre completo. Estava tudo no resumo, vi depois. Fazer o quê…

Depois das provas, fiquei conversando com os meus colegas. Este é o melhor momento da viagem. Eu adoro encontrar meus colegas. É engraçado, nos vimos apenas algumas poucas vezes, mas estamos no mesmo barco e isso nos dá uma cumplicidade muito legal.

Mais tarde voltei a Porto Alegre, pois meu voo sairia bem cedo no dia seguinte.

Agora esperar as notas, fazer os trabalhos finais e curtir as férias. Este ano foi longo!

Novo trimestre, novas disciplinas

Este é um daqueles trimestres que parecem nos aproximar da biblioteconomia. Não que as outras disciplinas não sejam importantes, mas ao fazermos aquelas que tratam sobre temas diretamente ligados à prática da área parece que dá um ânimo novo.

Neste trimestre tenho apenas duas disciplinas: Controle de vocabulário e Estudo do perfil do usuário. São duas matérias essenciais, superimportantes. Vejo que até o meu empenho aumentou nas últimas semanas – não fui uma aluna muito participativa no começo deste semestre.

 

Na última viagem de férias tive a oportunidade de visitar duas bibliotecas que me deixaram muito bem impressionada. Este post é sobre a primeira delas: a Biblioteca Pública do Centre Pompidou, que fica na região central de Paris.

Eu já viajei algumas vezes para Paris e até já visitei a Biblioteca Nacional François-Mitterrand, mas nunca soube que havia uma biblioteca no Pompidou, museu que sempre se acaba passando na frente em algum momento da viagem.

Fiquei sabendo ao fazer o trabalho da aula de Unidade de Informação, do professor João, no semestre passado, quando visitei a Bibliomaison. A bibliotecária de lá me deu esta dica quando falei que viajaria à França. Logo coloquei na minha lista do que fazer durante os dias em Paris.

A entrada da biblioteca fica na parte detrás do Pompidou. Depois dos atentados, qualquer lugar público tem revista. Para entrar na biblioteca é precisa passar em um raio-x e mostrar o conteúdo da bolsa/mochila para um guarda. Ao contrário de nossas bibliotecas, lá é possível entrar com todo seu material, não há guarda-volumes.

A biblioteca tem dois andares e meio e a mesma pegada moderna do museu. Tudo pode ser acessado tanto por escadas comuns, escadas rolantes ou elevadores. Tudo é muito bem sinalizado. A unidade funciona das 11h às 22h. Só não abre às segundas-feiras. No dia em que fui era feriado de 14 de julho. Não só estava aberta, como estava cheia!

Apesar de ter ficado superimpressionada com a biblioteca pública da cidade de Arnhem, que visitei em abril passado na Holanda,  confesso que fiquei muito mais com esta de Paris. Talvez por ter olhado com mais calma, talvez por sempre ficar impressionada com bibliotecas bonitas, coloridas, animadas como esta.

Há pelo menos 320 computadores na biblioteca do Pompidou. Eles servem para navegar pelo catálogo e por sites pré-selecionados (como wikipedia ou youtube, por exemplo). Tentei entrar no site da UCS, por exemplo, e não consegui. Para isso é preciso fazer um cadastro rápido na recepção do térreo. Como eu ia ficar somente umas horinhas ali, achei que não era o caso. Vi pessoas de todos os tipos usando os computadores, jovens, velhos, bem vestidos, mendigos, estudantes…

Essas áreas de computadores estão espalhadas por vários andares. A coleção de livros também é dividida. De 0 a 6 está no primeiro andar, de 7 a 9 no segundo. Só a categoria 8 ocupa meio andar. Há uma área separada para música, inclusive com equipamentos para escutar discos. Uma parte que me chamou atenção foi uma com diversos aparelhos de tv, em que os visitantes podem escolher um canal e assistir.

Há ainda, por todos os andares, grandes áreas para estudos, com mesas equipadas com luminárias e tomadas. A rede wifi pode ser usada por qualquer pessoa. Pelo folheto explicativo, há espaço para 1000 pessoas.

Os bibliotecários estão distribuídos por toda a biblioteca, em pequenas “ilhas de informação”, onde há também computadores apenas para se ver o catálogo.

 

A biblioteca conta ainda com banheiros e lanchonete.

Outro detalhe que me chamou a atenção foi a grande oferta de cursos, há desde aulas e encontros de conversação em vários idiomas até aprendizados de informática nos mais variados níveis. Tudo apresentados nos murais e em folhetos.

A Bibliothèque Publique d’information Centre Pompidou vale muito ser conhecida!

Horas complementares

O curso de Biblioteconomia ead da UCS é composto por 158 créditos referentes às disciplinas dos oito semestres. Para concluir o curso, porém, é necessário apresentar mais 120 créditos de atividades complementares.

No meu caso, que já completei cinco semestres, contabilizo 130 créditos realizados, ainda faltam 28 referentes aos três semestres faltantes, ou seja, bem pouquinho! :) Já para completar as 120 horas complementares ainda me faltam 30 créditos.

As minhas atividades complementares foram compostas por palestras assistidas na UCS (aos sábados de prova, quando são realizadas atividades à tarde), pela Semana Acadêmica, por cursos e por uma monitoria. Agora ainda tenho algumas de cursos e palestras que precisam ser autorizadas pela coordenação do curso. Acho que até o próximo semestre terei conseguido comprovar todas as horas necessárias.

A UCS oferece um documento completo sobre as horas. No tal documento, há uma lista do que podem ser consideradas atividades complementares:

São consideradas atividades complementares:

  • Atividades de Ensino – disciplinas não previstas no currículo do curso, monitorias (institucionais ou voluntárias), cursos de certificação (aperfeiçoamento, atualização, complementação etc.), bem como cursos de língua estrangeira (PLE).
  • Atividades de Pesquisa – iniciação científica (institucional ou voluntária), publicações, produções culturais e artísticas.
  • Atividades de Extensão – seminários, congressos, simpósios, conferências, ações comunitárias, estágios, bolsas de iniciação profissional, gestão de órgãos de representação estudantil, representação discente em órgãos colegiados, atividades profissionais, entre outras.

Correndo para dar conta de tudo

Não mudei de opinião, continuo achando que para dar conta de um curso ead é preciso ser muito organizada, especialmente com o tempo.

Só que já faz um tempo que não tenho conseguido me organizar da maneira como gostaria e deveria. Parece que nesses últimos trimestres, em que nem tinha mais um doutorado para dividir o tempo, vivi em meio a uma enorme bagunça. Espero que o último seja melhor.

Passei o último fim de semana correndo atrás do prejuízo. Nem posso dizer que foram as duas semanas de férias que tirei no começo do semestre que me atrapalharam tanto, pois quando voltei tive, teoricamente, todo o tempo para recuperar o tempo perdido. Sei lá, não deu.

Até então nunca tinha atrasado nenhuma atividade… Agora, foi um milagre quando consegui entregar alguma no prazo. Fico bem envergonhada e chateada com isso.

Finalmente agora, a poucos dias do fim do trimestre, estou com tudo em dia. Eu nem fui mal nas provas, mas, ainda assim, fiquei com a sensação de que não absorvi tudo que podia por conta dessa maneira displicente que adotei.

Ainda bem que ainda tenho vários trimestres para voltar a ser uma boa aluna.

 

Primeira turma de biblioteconomia da UCS

No dia 10 de setembro fui a Caxias do Sul para a primeira etapa de provas deste semestre. Foi muito legal encontrar alguns colegas depois de ter feito as provas em Vacaria na última vez, mas o mais bacana deste dia foi ver a animação e alegria das colegas que estão prestes a concluir o curso.

Enquanto nós realizávamos as provas e assistíamos à palestra da tarde, as meninas faziam fotos que vão entrar para a história pessoal de cada uma, mas também para a do nosso curso. O professor homenageado, como não poderia deixar de ser, foi o professor João Borges.

Desejo uma carreira brilhante a cada uma delas.

Fim de semestre

Como sempre, antes mesmo de terminarmos o semestre, já escolhemos as disciplinas da próxima etapa. Escolher não é bem a palavra certa, pois como o curso é realizado em módulos, temos de pegar todas as matérias ofertadas.

Como consegui aproveitar várias matérias de meu curso anterior, agora faltam bem poucas para concluir o curso. Neste segundo semestre farei quatro disciplinas – o que deixou a mensalidade bem mais bonita. Para o ano que vem ficarão faltando os dois estágios e apenas duas matérias.

Ainda tenho muito que aprender, mas já dá uma alegria pensar que já passei de mais da metade do curso. No segundo semestre agora correrei atrás de estágios. Gostaria de fazê-los nos mais diferentes lugares. Vamos ver como será.

Minha primeira estratégia será entrar em contato com todas as bibliotecárias amigas para contar que estou em busca de um estágio. Assim, imagino, caso surjam oportunidades onde elas trabalham, elas podem se lembrar de mim e me avisarem.

Este semestre foi bastante pesado emocionalmente. Eu estava terminando um outro grande projeto de vida, que acabou se arrastando mais do que eu gostaria. Finalmente, no final do mês passado, tudo chegou ao fim. Agora estou mais aliviada e feliz.

Concluída esta etapa, poderei me dedicar quase que completamente à graduação. Quer dizer, ainda continuarei trabalhando por enquanto, mas se surgirem estágios interessantes terei de considerar o que será mais importante para meu futuro: investir em diferentes estágios ou optar pela segurança do cenário atual, mas vou deixar para esquentar a cabeça quando chegar o momento certo.

BiblioMaison

Compartilho uma sugestão de biblioteca bacana para se conhecer no Rio de Janeiro. Nesta semana, para realizar o trabalho de Unidade de Informação, disciplina do prof. João, visitei a BiblioMaison, que fica no espaço da antiga Mediateca da Maison de France, no centro da cidade.
 
Foi uma bela transformação. O espaço ficou lindo e muito agradável. Os livros nas estantes seguem a CDD, mas há bastante material no salão central para se ler descompromissadamente nos sofás confortáveis. Num futuro próximo a biblioteca contará com um café.
 
A BiblioMaison fica no 11º andar da Casa de Europa (ex-Maison de France), que abriga os consulados da França e da Alemanha (e é vizinho do da Itália), na Avenida Presidente Antônio Carlos, 58.

Atropelos pré-prova

Este primeiro semestre não tem sido fácil.

Estou prestes a concluir um outro projeto. Por mim, já teria acabado, mas como nem tudo nessa vida depende apenas de nosso esforço, tudo ficou atrasado.

Por conta disso, acabei deixando a graduação, especialmente neste trimestre, em segundo plano. Não estou conseguindo fazer todas as leituras e todas as participações que deveria nos fóruns. Isto é péssimo, ainda mais agora nesta segunda metade do curso, quando tratamos de assuntos que têm relação com a prática profissional.

Às vezes, porém, o melhor é tentar reconhecer nossas limitações e  não pegar muito pesado consigo mesma. Estou tentando.

As provas já serão na próxima semana,no dia 25. Estou correndo para terminar e estudar meus resumos, o que sempre me ajuda. Atenção mesmo aos estudos pré-prova só poderei dar depois de segunda-feira. Espero realmente estar com a cabeça mais liberada a partir do dia 20. Sei que o tempo para estudar será curto, pois já viajo na sexta-feira de manhã, mas terá de ser assim desta vez. Torcer para assimilar o máximo de conteúdo.

A biblioteca do prof. Geraldo

Nesta semana estamos estudando sobre bibliotecas públicas e bibliotecas comunitárias na disciplina de Unidades de Informação.

Apesar de nunca ter conhecido pessoalmente uma biblioteca comunitária, lembrei-me da biblioteca criada por um antigo professor do IBICT, o prof. Geraldo Prado. Ele doou a sua enorme coleção de livros ao povoado em que cresceu, São José do Paiaiá, no interior da Bahia.

Imagina a transformação que esta biblioteca promoveu no pequeno lugar, composto por pouco mais de 500 habitantes. Atitude louvável!

Para ler mais sobre o projeto: http://oglobo.globo.com/rio/duas-aguas-a-conta-com-geraldo-prado-6817065 e https://sites.google.com/site/obcmnp/geraldo-prado.